Eu não lembro quando foi a primeira vez que li algum chart do Notas Sobre Ela. Eu confesso que nem ao menos lembro - e isso é um tanto quanto frustrante - como cheguei ao perfil do Zack no insta. Mas acho que foi ali, no insta, que nosso santo bateu. 


Uma publicação compartilhada por zack magiezi (@zackmagiezi) em

E eu que sempre gostei de 'legendar' minhas fotos com músicas e poesias, encontrei um cara que tinha um projeto em que escrevia notas sobre uma mulher que ele ainda não conhecia. E ao mesmo tempo, falava com todas as que conhecia e/ou cruzavam seu caminho. E foi aí que eu comecei a devorar as #NotasSobreEla...


Uma das minhas maiores felicidades foi quando descobri que o Zack lançaria um livro com esse título e falando com essa mulher sem rosto, que ele há tanto conhecia. E quando finalmente peguei o livro nas mãos, nessa última semana, devorei cada página sem dó nem piedade - em menos de um dia. Leitura leve, que acalenta o coração. Os sensíveis como eu podem se emocionar um pouco a mais em algumas páginas. Normal, algumas passagens nos tocam mais que outras - coisa de identificação com as histórias, vocês sabem como é. O livro é dividido em 4 partes - ou poderíamos dizer, 4 tempos: infância, juventude, fase adulta e velhice. E como ele interpreta magnifica e delicadamente cada uma delas. Zack parece ter a bola de cristal que muitos homens sonham e de fato, parece conseguir ler a fundo as mulheres. É comovente, você vai querer conferir. <3


Espero que o Zack siga escrevendo com essa delicadeza e sensibilidade tocantes - o mundo precisa de mais gente assim! E gratidão por tão linda dedicatória, sigo emocionada depois de finalmente conhece-lo enquanto escrevo esse post. O cara é massa, confiram - mesmo - o trabalho dele!


Uma publicação compartilhada por Camilla Carvalho (@mademoiselleparis) em


Ao retratar a mulher da infância à maturidade, Zack Magiezi mergulha no universo e na aura femininos revelando suas nuances, facetas e matizes. Dos picos de solidão noite adentro às alegrias ensolaradas à beira-mar; dos cheiros e tatos da inocência às expectativas que ora se cumprem ora se quebram; dos sonhos que reconfortam à realidade que lapida. Os vislumbres e as impressões; sentimentos e sensações; gestos, fotos, livros, discos, pessoas: nada foge ao autor. Obra inédita inspirada na série de textos que conquistou as redes sociais, Notas sobre ela é, em essência, sobre todas elas.

Notas Sobre Ela | R$34,90


Sempre gostei de descobrir novas músicas, de redescobrir tantas outras... e sempre fuxiquei que que meus amigos andavam ouvindo também. Parte de mim amava descobrir novos mundos sendo cantados em tantos ritmos diferentes, tantas vozes distintas.
Sou um mix de músicas e sons e vozes. E amo esse mix. Demorei tempo demais pra entender que não preciso me definir para ter um gosto musical. O meu é o meu. E espero que agrade algum de vocês, aí do outro lado da telinha. Aqui estão os sons mais tocados no meu mês, agrupados. Se quiser me seguir lá no spotify - basta clicar aqui. Ou fica de olho no blog, no stories, nos snaps... sempre tem música onde estou! :) AH! Dá o play! ;)



- Qual sua favorita?
Se não fossem as minhas malas cheias de memórias 
Ou aquela história que faz mais de um ano
Não fossem os danos, não seria eu... 

Camiseta, Zara; Colete, Hering Basics; Saia, Riachuelo; Meia-calça, H&M; Sapatilha, Moleca

Desde que voltei de viagem, não me acho mais no meu guarda-roupas. Não importa o quanto eu arrume, me perdi daquelas peças em algum lugar do tempo que ficamos separadas. Olho para elas, penduradas, dobradas, cada qual alinhada e pronta para uso. E não consigo mais sentir o interesse, a paixão e a identificação que tínhamos antes. Nos desconectamos. E desde então venho usando as roupas que vieram comigo na mala, à exaustão. 

- Mas você poderia comprar roupas novas, se o problema é não gostar mais do que tem. 

É, poderia. Mas também venho enfrentando dificuldades em encontrar peças que toquem meu coração sem destruir meu bolso. Desde que voltei, foquei em tentar reencontrar graça nas peças que antes, me deixavam louca de saudade além oceano. Agora, aqui, disponíveis: não me fazem saltar o coração. Visto, desvisto. E acabo sempre com um quase uniforme diário que criei para evitar dor de cabeça. Afinal, já tem muito mais coisa na vida que pode dar dor de cabeça na gente né? 
Faz poucos dias, brinquei com uma colega de trabalho que às quartas deveríamos ir de rosa. Uma menção à super conhecida frase de Regina George em Mean Girls (alô anos 90!). Quando chegou o dia, eu não sabia como lidar. Queria ir de preto. E pronto! Mas o desafio me ajudou a ganhar um pouco de aventura e lá fomos nós - eu e minha não vontade de cores - revirar todo um guarda-roupa há meses inexplorado. Não posso dizer que não gostei do resultado, achei bem fofo até. Mas estaria mentindo se dissesse que fiquei confortável nele o dia inteiro. Não sei, algo passa sempre a incomodar. Já aconteceu com vocês? 

Espero que seja uma fase. Ou teremos um bazar de roupas da tia Madi bem em breve.... 


Faz pouco menos de 2 meses que inseri meu último texto por aqui. 
Depois de um mês longe, cuidando de mim de dentro pra fora, comecei a entender o quão necessário foi essa pausa. O quanto eu estava (e ainda estou) sem energia para escrever. 
Escrever consome uma energia e tanto - apesar de quem não escreve duvidar disso. 
E essa energia que falta, me tirou as palavras, os sons. Me tirou o ar. Todos já passamos ou ainda passaremos por momentos assim. E eu só posso agradecer a cada um de vocês que gentilmente acolheu esse meu silêncio como quem abraça, aconchega, acalenta. 
Não vou dizer que tudo vai voltar a ser como era antes por aqui, pois correndo o risco de deixar o ascendente em câncer falar mais alto, diria que 'nada será como antes'.
E isso não é necessariamente ruim. Né? 



Foi uma sequencia de grandes mudanças que deixaram nosso elo, meu com o blog, de vocês com o blog, nosso, forte. E isso me faz crer que, como uma pessoa que recém-conheci disse: depois do furacão vem a calmaria. E a gente coloca as coisas em novos lugares, e a gente se reconhece de novo. 
Tô começando a arrumar a casa por aqui. Voltando aos poucos, sentindo as forças voltarem, sentido a vontade ressurgir. 

Eu sempre soube que 2017 seria marcante. Só não imaginava essa voracidade com que quase me engoliu. [risos]  Mas mesmo com tudo que ele tirou do lugar, com tudo que fez sangrar e tudo que veio e foi, sou grata. À esse ano que ainda na metade, já me ensinou mais que muitos outros. Me fez crescer, me apresentou as pessoas certas, nas horas certas. Me tirou de trilhas de espinhos, já bem arranhada. Mas em tempo de cuidar das feridas. Sou grata a cada um de vocês que não desistiu de mim e que está aí do outro lado, lendo esse texto. Sou grata a cada vento gelado, a cada raio de sol. Que bem medido, bem pesado, me ajudaram a respirar fundo e a seguir no caminho.


Uma publicação compartilhada por Camilla Carvalho (@mademoiselleparis) em

A boa notícia? Sobrevivi. Tô aqui. Tô de volta. 
E seria estranho não parar aqui e explicar timidamente o sumiço. Pra explicar timidamente que quero voltar. No meu ritmo. No nosso ritmo. Do nosso jeitinho. 

Vem comigo, leitor? 

Com carinho, 

Cami.
Na última semana estive com a Nestlé em um super café da manhã para entender melhor do que é feito meu cereal matinal. A gente literalmente colocou a mão na massa e reproduziu a receita do Nescau Cereal ali, na hora! Isso sem falar no bate-papo massa sobre ler o que se compra - a gente muitas vezes passa por cima disso né, e é tão importante...


Eu fiz vlog nesse dia lá para a loucura que está sendo o #EverydayMay - vocês estão acompanhando?

Dá o play!


E como eu sei que vocês vão querer a receita do Nescau Cereal caseiro, tomem nota: 


Amei o convite do pessoal da Nestlé - é sempre uma delícia aprender mais sobre nossos produtos favoritos! <3 
A mule, um dos símbolos mais polêmicos da moda no quesito calçados nos anos 90, está de volta. O modelo, que já apareceu nos pés de Marilyn Monroe e Sarah Jessica Parker viveu seus dias de glória apenas na época de SATC (Sex and the City). Porém como já sabemos, a moda se recicla o tempo todo, num ciclo de vai e vem de moldes e modelos. Sendo assim, chegou a hora de reviver as mules. Peças-chave nas coleções atuais de marcas como a italiana Gucci e a nova-iorquina Mansur Gabriel, dentre outras, se firmou como o sapato que você vai querer para atualizar seu look de inverno. Tem alguns vários modelos com diferentes formas de ponteira e saltos mas, hoje quero falar de uma, estilo chinelo, que eu venho namorando há quase 6 meses: a Princetown Velvet Slipper, da Gucci:


E a versão fofa dela para primavera, a Princetown Leather Slipper:


Mas como eu ainda tenho que comer muito arroz com feijão para, quem sabe, comprar meu primeiro Gucci, andei pesquisando modelos inspirados nela e que sejam mais básicos (pois vai que eu não me adapto né, melhor que seja algo fácil de combinar primeiro). E na minha busca, achei algumas opções bem bonitas e com preço acessível para quem quer testar a tendência sem precisar se afundar em dívidas. Dá só uma olhada:

1 - Mocassim Mule Luiza Barcelos 
2 - Mocassim Mule Crysalis R$149,90
3 - Mocassim Mule Dafiti R$79,99
4 - Mocassim Mule Azaléia R$99,90
5 - Mocassim Mule Azaléia - bege - R$99,90
6 - Mocassim Mule Di Cristalli - R$159,90

 Andei também experimentando alguns modelos na Marisa e na Renner mas, ainda não me decidi por uma em especial. Estou por hora namorando a pretinha de pompom que não tem o bico tão pontudo mas ao mesmo tempo se mantém fino, alongando tudo. E aí, o que vocês acham dessa trend? Se renderam ou não? Me contem nos comentários! :)
SalvarSalvar
Uma das novidades mais maravilhosas e de tirar o fôlego que rolaram na última semana foi a notícia de que a Lancôme traz agora uma família de skincare La Vie Est Belle. Sim, agora a nossa fragrância do coração conta com uma linha de tratamento 'gourmand'...  dá uma olhada:


A linha de tratamento inclui gel de banho, loção corporal e hidratante. 
Para o ritual de banho, a linha traz o poderoso extrato de Geleia Real na composição, que ajuda a deixar a pele hidratada, acetinada e perfumada. 
Já o creme corps traz em sua fórmula 15% de manteiga de karité para ajudar a pele a ter viço e elasticidade por mais tempo. 

- Louca pra testar TUDO! <3
Mademoiselle Paris

Fazia muito tempo que eu não me apaixonava assim num tom de esmalte. Tanto, que não me aguentei e tive que vir aqui dividir com vocês, óbvio.
Há tempos que eu ando num amor com tons de nude para as unhas mas, há tempos meus nudes favoritos não mudavam por nada. Mas ao pegar esse novo vidrinho da coleção da Impala que noticiei aqui recentemente e vê-lo nas unhas, caí de amores aos suspiros! O tom é perfeito, orna incrivelmente bem com meu tom de pele. A cobertura é incrível, basta uma pincelada para cobertura total e o tom fica exatamente como o prometido no vidro - o que por si só já é maravilhoso se compararmos com aquelas frustrações de esmalte quase sem pigmento. 
Ele tem um brilho envernizado liiiiindo, mesmo depois de secar. E a durabilidade... bom, essa eu volto no fim da semana para contar pois de tão empolgada, estou escrevendo horas de depois de terminar a manicure e sigo muito encantada. :) 

- E você, me conta qual seu esmalte mude favorito?

Era quinta-feira, véspera de feriado prolongado e o relógio já apontava mais de 9 da noite. Ela havia marcado um encontro com um de seus melhores amigos, Andy, ao final do expediente. Ia entregar alguns chocolates para ele e aproveitariam para tomar um café e colocar um bucadim do papo em dia. Mas, ele atrasou e ela mergulhou na imensidão da livraria que fica ao lado do café. Ela já havia comprado outro livro novo, naquela mesma semana. Se prometera que, iria tirar aqueles feriados para si, lendo boas histórias, viajando para outros lugares, descansando o corpo que andava bem mal-tratado pela correria e stress e ansiedade. É, ela amava morar numa grande cidade mas nunca quis tanto se esconder em um pequeno vilarejo distante. E como sempre, foi atrás de uma das formas mais baratas, relaxantes e deliciosas de viajar: foi atrás de livros novos. 
A dupla adquirida era daquelas de peso: um com crônicas do cotidiano, escrito por um de seus autores favoritos. Outro com uma história promissora de belas imagens para sua imaginação. 
Ela estava radiante. Mal poderia esperar para chegar em casa, debruçar-se sobre eles e deverá-los coma a ânsia de um retirante ao ver água. É, ela estava sedenta de novas histórias. Novas viagens. Novas companhias. Novos "uhs" e "ahs" que só um bom livro proporciona. 
Comprou-os, guardou-os com cuidado na delicada sacolinha de papel que lhe deram na livraria e foi encontrar-se com Andy. Metade da conversa deles naquele dia, foi sobre os livros. Ela estava empolgadíssima. Mais até do que imaginava, a principio. 

Só se deu conta quando entrou no ônibus a caminho de casa e sem querer esperar, pegou as crônicas e mergulhou. Nesse dia ela perdeu o ponto, a hora, a cabeça - voltando para casa. 

Mas encontrou uma paz que há tempos não sabia onde estava escondida. 

Vai ser lançada agora em Maio a nova coleção da C&A em parceria com a Joulik. A segunda, né? Porque a primeira, sucesso de vendas, saiu no ano passado. Eu confesso que estava na correria dos preparativos do intercâmbio na época e não consegui dar muita atenção para a first edition da colaboração. Por esse motivo vocês já podem deduzir o quanto eu fiquei feliz quando pipocou a noticia de que haveria um segundo round e que ele estava ainda mais lacrador! 


A Joulik é super reconhecida e valorizada por ser uma marca que faz suas peças à mão com pegadas divertidas e um toque de rock'n'roll. Ela traz o brilho para o cotidiano de um jeito mágico e eu que tô vivendo essa fase de "põe mais glitter" e "quanto mais paetê melhor, obrigada" vi meus olhinhos brilharem quando abri as imagens da parceria. E logo de cara, abro mostrando alguns favoritos. :)

Só eu achei que essa foto ficou com uma pegada "Girlboss" ? : P

Favoritos da Madi (ou, a wishlist da falência do meu cartão)

1) Casaqueto de Paetê - R$ 499,99
2) Short Jeans Bordado - R$ 249,99
3) Top aplicação veludo - R$ 49,99
4) Camiseta Get Lost - R4 129,99
5) Mochilinha de Veludo - R$ 189,99
6) Bota Branca - R$ 189,99
7) Camiseta básica c/ pedrarias - R$ 119,99
8) Vestido Gimme Space - R$ 49,99
9) Camiseta Mickey em Paetê - R$ 149,99

1) Casaqueto de pedrarias e paetês - R$ 589,00
2) Saia de camurça - R$ 99,00
3) Camiseta com pedrarias - R$ 169,99
4) Bota de glitter - R$ 248,00
5) Jaqueta jeans bordada - R$ 349,99
6) Bolsa de glitter - R$ 79,99
7) Camiseta Make a Wish - R$ 59,99
8) Jaqueta de glitter - R$ 229,99

A marca, ou melhor, a grife é beeeeem cara na vida real, logo eu já não imaginava preços hiper baratos na parceria né. O fato é que, óbvio, eu me apeguei nos itens mais caros da coleção. Ai Deus, porque que eu sou assim? #drama 


Ah! E deu para notar a pegada forte 80's né? Muito amor no coração! <3 Outro ponto que vale ressaltar são, claramente, as novidades: nessa coleção a parceria traz óculos de sol, lingeries e bodies em veludo e fio lurex, pensados já serem adaptáveis à tendência forte das transparências. 

Como estou só de pensar no rombo na minha conta bancária:

A coleção chega à loja virtual da C&A (www.cea.com.br) no dia 25 de maio e em lojas físicas selecionadas, no dia 30 de maio. Pelo menos ainda tem um mês pra guardar uma graninha, né? >.<
Mademoiselle Paris

Que o La Vie Est Belle da Lancôme é um dos meus perfumes favoritos da vida, vocês já sabem - eu já contei aqui. Mas aí a marca vem e pá! Lança versões desse perfume maravilhoso que caem super bem com situações específicas. É o caso do Intense, nova variação da marca para minha fragrância favorita, é perfeito para festas, jantares e situações mais chiques em que você desejar um toque mais intenso e presente do La Vie Est Belle.

A versão Intense do perfume acrescenta dois ativos importantes à sua composição: a intrigante tuberosa e a deliciosa avelã. Dominique Ropion e Anne Flipo reconsideraram a composição para ressaltar algumas notas, além de dar ainda mais corpo e uma densidade renovada.

Notas de cabeça frescas e revigorantes de um trio de bergamota, laranja e pera são expandidas com um toque de groselha, picante e frutado. A pimenta rosa dá uma pitada alegre, efervescente e extravagante. Reinando suprema como nunca, a íris é exaltada em sua mais bela variedade, a Iris Pallida Toscana. Suave, confere a esta fragrância o seu toque mágico. Junto com ela, a cativante e fascinante tuberosa. 

Desabrochando em ramalhetes brancos abundantes e intensos, a flor ostenta as suas facetas verdes e nítidas. Originária da América Central, a tuberosa foi introduzida na França no século XVII e cultivada em Grasse por muitos anos. Rica e arrebatadora, ela cativa a todos com os seus acordes persistentes. O suntuoso buquê floral também inclui ylang-ylang, Jasmim Sambac e flor de laranjeira para a mais radiante feminilidade. Como uma variedade de pétalas encantadas e encantadoras girando em torno do coração da fragrância. 

Enquanto as notas gourmand continuam sendo uma das características de assinatura, desta vez elas são enriquecidas com um acorde de avelã que dá um toque adicional de vivacidade, ecoando a faceta verde da flor. 

As notas de base desta composição persistente são confeccionadas a partir da faceta amadeirada de seu coração de patchouli, a suave doçura da fava tonka, além de notas de beijoim. 

A intensidade fica de mãos dadas com a potência e esta fragrância é ainda mais concentrada do que a Eau de Parfum, e as duas composições estão entre as mais potentes do mercado.

Mademoiselle Paris

Fala sério: não tem como não amar um perfume que logo de cara já traz uma mensagem de otimismo e felicidade em tempos tão sombrios que vivemos. Isso fora o frasco que remete aos traços de um sorriso - coisa mais linda! <3

Eu sei. Eu sei.
Eu não falo muito sobre moda masculina por aqui.
Mas o fato é que, como andei conversando com alguns colegas da revista: a moda masculina no Brasil anda chata, agonizante - se é que já não morreu. Triste, mas acho que concordo bastante com esse pensamento.
De qualquer modo, depois dessa conversa fiquei martelando isso na cabeça e pensei em dar um pouco mais de espaço para essas discussões aqui e nada melhor que ouvir a opinião dos homens nessas horas. Né? Então você, leitor, tá mais que convidado a comentar aqui embaixo o que acha da moda masculina e coisa e tal. Se tem jeito, o que te inspira, alguma dúvida. Manda pra mim que eu vou dar um jeito de responder ou conversar com quem responda. Fechado?

Mas, vamos ao papo principal. A coleção de inverno 2017 da Iódice, que chegou aqui no meu e-mail e confesso, me chamou a atenção pela fotografia um pouco mais que pelas peças.


Eu gosto bastante do acabamento e durabilidade das peças da Iódice, apesar de considerar os preços um tanto quanto elevados demais. Mas a relação de custo que a minha geração tem também tem me feito repensar meus conceitos de caro e barato então não vamos entrar nessas vias por hora... 


As características principais da coleção são tecidos tecnológicos e cortes diferenciados - além do já citado acabamento impecável. 


O conceito "Live Green" visa incentivar a prática de esportes e uma rotina de hábitos saudáveis. Porque, não querendo ser polêmica mas já sendo, está na moda incentivar essas coisas. 


Para acompanhar esse lifestyle com conforto e muito estilo, o shape slim, querido entre este público, é visto em camisas e calças de ares modernos, mas ficam lado a lado de opções em cortes retos para quem prefere um caimento mais tradicional.


Camisetas em algodão de manga curta e longa trazem estampas diversas e acabamentos que fogem do óbvio, e as polos ganham espaço nas araras exibindo delicados detalhes na gola e manga. Casacos, blazers e jaquetas também aparecem em modelos e materiais diversos como couro, tricot e moletom.


O jeanswear forma uma linha ainda mais ampla nessa temporada, com corte anatômico e lavagens diversas. Os grandes destaques ficam por conta das calças em versões ultra macias e da jaqueta unissex com bordado floral nas costas.


Agora, pessoalmente: essa onda de barra dobrada - só fica boa em alguns homens. Não sou de cagar regra em moda aqui mas, como admiradora de homens bem-vestidos vou falar: não acho que é todo cara que segura uma barra dobrada. Coisa de estilo - de vida. 


A coleção já está disponível na loja da marca na Oscar Freire e a novidade é que lá a linha tem um andar inteiro só para ela. E também dá pra achar as peças no e-commerce Iódice. ;) 


- Qual seu look favorito?

Uma das coisas mais legais em estudar fashion shopping na capital da moda e das compras, é poder conhecer lugares que eu, como simples turista, jamais entraria. Verdadeiros tesouros escondidos por trás de fachadas não tão atraentes ou marcas tão absurdamente caras que já logo se pensa: nem vou entrar pra manter meus pés no chão.
Pois bem, em uma de minhas aulas de compras (eu amo isso - aula de compras *gritinhos) Caroline me levou à Hermès Sèvres, no delicioso bairro de Saint-Germaint-des-Prés. Ali, onde antigamente era uma piscina pública de Paris, uma das marcas de maior renome no mundo da moda e acessórios ergueu uma loja conceito simplesmente fantástica! E tudo isso, aproveitando a estrutura original da antiga piscina pública. A loja com 3 andares abrange todas as possibilidades: vestuário, acessórios, decoração e inspiração. Quanta inspiração! 


A construção envolveu 150 artesãos que trabalharam duro por cerca de 2 anos para chegar nesse resultado. Segundo Caro(line), essa loja é a segunda maior do mundo - com 1470 metros quadrados - perdendo apenas para a loja da Rue du Faubourg, em Saint Honoré. 


O arquiteto responsável é Denis Montel da IBLJ - responsável também por outras 334 boutiques da marca ao redor do mundo. Um poder é um poder né? 


A boutique conta também com um café e uma linda floricultura. É passeio obrigatório a meu ver pois sua beleza merece ser contemplada. E se você é como eu e ainda tem que juntar muita grana pra ter uma Hermès, saiba que pelo menos um café e um arranjo de flores são possíveis nessa visita. :) E vamos combinar: nada mais parisiense que café e flores. <3 Salut! 

Hermès Sèvres 
17, Rue du Sèvres - 75006 - Paris

Recentemente a Impala lançou uma nova coleção com pegada mais invernal: a "Identidade Secreta" conta com 5 cores de batom e esmalte perfeitas para te acompanhar na virada de estação. :) 


Inspirada no mundo mágico e fantástico dos quadrinhos, a Impala traz as tenências em cor de inverno com pegada divertida e leve dos desenhos. O mote de "seja você mesma sua própria heroína" também casa perfeitamente bem com o momento em que estamos vivendo: com lutas de todos os lados por mais respeito e igualdade às mulheres. Para a Impala, toda mulher tem seus próprios super-poderes e pode, assim, ser a heroína da sua própria história. 


Os esmaltes são todos dermatologicamente testados e vem com o pincel flat - que facilita na hora da aplicação e permite que nós mesmas façamos a nossa manicure (pra quem gosta, como eu, isso é uma mão na roda!). .A secagem continua rápida e a cobertura dos tons é maravilhosa: uma pincelada já chega no tom proposto - o que permite economia de produto e um resultado final mais delicado.  Como ando numa vibe 'nudes' ultimamente, já fiquei encantada com esse "Arma Secreta". Outro tom que estou louca para ver nas minhas unhas é o "Raio Púrpura". Faz um bom tempo que não me apaixono por um focinho, esse me deu um sentimento bom. :)

Veja as combinações de esmalte com batom e também a descrição dos nomes:


Ataque Duplo: golpe certeiro para qualquer ocasião. 
Cor: Marrom Cremoso



Arma Secreta: uma mistura convidativa, inocente e sensual. 
Cor: Nude amarronzado cremoso


Plano Perfeito: a arte de transformar o improviso. 
Cor: rosa semi-brilho


Super Poder: força e determinação que se manifestam no dia a dia. 
Cor: vermelho cremoso

Raio Púrpura: para mulheres com ar de mistério e ousadia.
Cor: roxo semi-brilho

- E você? Qual seu "super-poder" escolhido? ;)
SalvarSalvar
SalvarSalvarSalvarSalvar
Passei a semana passada inteira vendo meus amigos e colegas nas mais diversas redes sociais comentando o lançamento do Netflix, 13 Reasons Why
Eu nunca consigo seguir uma série junto com a galera então só anotei mentalmente o nome e segui meu calendário já super conturbado e perturbador de "to-do's" de sempre. Como já comentei aqui e em outras redes, venho me sentindo muito cansada e com muita dor nos braços por ter mergulhado tão fundo no trabalho para tentar não pensar. A gente foge, tem medo.. mas aí a dor explode e o que nos resta é parar. E bem, pensar. 
No fim de semana eu não aguentava nem segurar uma revista no colo para leitura, nem uma xícara de café. Então resolvi que já era hora de um detox e me obriguei veemente à dormir e ver séries. Assim o braço descansava, a inflamação melhorava e eu... bom, eu distrairia um pouco a mente com outros dramas. Não o meu. 

Que ilusão eu criei né leitor.... 


Comecei então, no finzinho do sábado,  a assistir 13 Reasons Why. Logo de cara, gostei da Hannah, simpatizei, diga-se de passagem. A Hannah é uma garota de 16 (ou 17? não me lembro ao certo agora) anos que se muda de cidade e está tentando se adaptar na nova escola, nova rotina e novos amigos. Sim, talvez eu tenha me identificado com a situação pois eu fui essa garota inúmeras vezes. Mas, vamos voltar à história da Hannah. Ela chega em uma situação padrão em que os grupos e panelinhas já estão formados. E na pior das fases: o ensino médio. Crianças podem ser más mas, adolescentes são diabólicos. Vai por mim, mesmo quando não querem eles são. Todos. Sem exceção. 
O fato que mais gostei da série foi ela martelar na máxima de que "você nunca sabe o que está se passando na vida da pessoa logo, você nunca sabe o que será a gota que fará o copo transbordar".
Lembro como se fosse ontem de uma das melhores chefes que já tive, falando no facebook uma vez: 

- Everyone you meet is fighting a battle you know nothing about. Be kind. Always. 

É, é exatamente isso. A gente NUNCA sabe o que se passa no coração dos outros. O que estão vivenciando fora do nosso convívio. O que estão sentindo e quais seus sonhos e frustrações. E normalmente fazemos uma média que achamos aceitável que se aguente e tratamos todos naquela média, rotulando todos que acham demais, como "mimimizentos" e os que não se afetam de "insensíveis". Ou seja, medimos os outros por nosso conhecimento, nossos limites. Não tá certo isso. Agindo assim você pode: 1- ferir para sempre alguém; 2 - traumatizar essa pessoa pela vida ou 3 - desencorajar alguém que poderia fazer a diferença.

Bom, o resto você tem que ver a série para descobrir e inclusive para tirar suas próprias conclusões. Fico feliz em ler as notícias que dizem que os índices de pedido de ajuda nos centros de apoio aumentaram após os inúmeros esforços da produção até agora. E espero realmente que após assistir 13 Reasons Why, você, leitor, assim como eu, pense mais nos porquês que te mantém vivo. Nos porquês de seguir. Os porquês negativos? Não vale dar-lhes força: de acordo? :)

Bom Netflix! Opa, boa noite! :)

Para começar a assistir 13 Reasons Why agora, clique aqui!
SalvarSalvar
SalvarSalvar
Ontem não rolou escrever por aqui. Mas quem já é inscrito no canal (e lá na fanpage também) bem viu que teve vídeo de favoritos entrando. Como diria minha mãe, ou canta ou assovia - pois é! Ontem cantei lá no youtube da Mademoiselle TV (aliás, clica aqui e se inscreve pra acompanhar por lá também que andam dizendo que você leitor, vem preferindo conteúdo em vídeo - quem disse? as pesquisas de opinião!). O favoritos é um tipo de vídeo que eu sempre gostei de assistir e nunca me animei em gravar. Freud explica, provavelmente. 
Mas esse ano estou me empenhando em dividir meus queridinhos do mês com vocês e, pra variar, tô gostando à beça porque estou conseguindo prestar um bocadinho mais de atenção em mim sabe? No que eu ando usando, o que tem me feito sorrir.. essas coisas. É tão bom tirar esse tempinho quando se vive em um caos de cidade grande... você me entende, né leitor? Pois vamos aos favoritos de Março! :)


Março foi um mês difícil - ressaca braba de um fevereiro de negação. Pois é. Eu sei.
Mas como sempre digo, a proposta desse blog é de se manter como diário e em um diário a gente também escreve, fala, desabafa quando está em fases não tão boas. E na mais profunda verdade eu acredito que mesmo quando a gente tá na merda, tem algo - mesmo que pequenino - de bom acontecendo. Senão a gente entregava os pontos, né? Dá o play!


No mês de Março meus favoritos foram:

1) Caneca da Bela - Disneyland Paris
2) Masque Nuit - Sephora
3) Duo de Corretivo - MAC - NW20 NC25
4) Beauty Blender
5) Pure Color Envy Palette - Estée Lauder - Cor Fierce Safari
6) L'Absolu Rouge Definition - Lancôme - Cor 187
7) Livro: Para onde vai o amor? Fabrício Carpinejar
8) Filme: Love, Rosie
9) Filme: Beauty and The Beast
10) Música: "Always Starting Over" de If/Then
11) Peça de Teatro: Tô Grávida! Ingressos:
http://premier.ticketsforfun.com.br/shows/show.aspx?sh=TOGRASP17

- Qual o maior favorito de Março de vocês? Contem pra mim aqui nos comentários ou lá no vídeo! Vou amar trocar dicas com você, leitor! <3 
Até amanhã! 
Poutz, faz muito tempo que eu não compartilho minhas playlists por aqui, né? Já peço perdão por isso! >.< Posso culpar a correria de novo? Mas também eu tenho ouvido coisas pra ajudar curar feridas. Achei que vocês não fossem curtir essa vibe. Até que me peguei pensando que esse momento de instrospecção pode não ser exclusividade minha e que alguns de vocês podem estar em situação semelhante. Precisando de um acalento em forma de canção. Pra mim, essa semana, veio nos acordes de Chico. E como me faz bem ouvi-lo cantar enquanto preparo uma xícara de chá e um banho relaxante. Ora uma choradinha, ora uma cantadinha junto. Bem medido e bem pesado, vivendo esse momento a meu modo. Sofrendo quando dá vontade de sofrer. Rindo, quando dá vontade de rir. Me permitindo a calmaria da canção, nem que por singelos 3 minutinhos. 

Acende uma vela, pega uma taça de vinho, um cobertorzinho de pé e dá o play aqui: 


Um beijo e um afago n'alma, querido leitor. :*
Para ouvir durante a leitura:


Eu não sabia que seria tão vulnerável a essa nova fase de vida que se iniciava. Mas, acho que todos nós acabamos por ficar meio vulneráveis em fins e recomeços - o medo do novo e a dor do que fica pra trás nos deixam assim. E mais cedo ou mais tarde a vida manda a conta né?
Depois de terminar um namoro de 7 anos, voltar do intercâmbio com a missão de convencer dona Ruth (minha mãe) a fazer as malas e partir comigo e organizar a vida que tinha pausado no Brasil durante esses últimos meses, me joguei no projeto novo que comentei por aqui e me perdi. Mergulhei tão fundo que devo ter batido a cabeça e fiquei desnorteada vagando lá no infinito azul escuro do fundo do mar chamado trabalho. Acho que esse é o problema em se amar demais o que se faz, você sempre corre o risco de extrapolar ou de alguém se aproveitar do seu amor. Tirar vantagem. Sugar suas energias. É leitor, tudo isso aconteceu comigo no último mês. Eu ainda me sinto zonza, como se acabasse de recuperar os sentidos depois do nocaute. E foi exatamente por falta total e completa de forças, energias e ânimo que eu fiquei esse tempo ausente aqui desse cantinho que só me traz alegrias. Tudo estava sendo sugado. E bem, isso não é algo que possa ser classificado como positivo....

- Todo mundo precisa descansar, Camilla.

Descansar não é apenas dormir ali, umas 5 horinhas, quando o corpo não aguenta mais. Descansar é olhar pra outras coisas, pensar em outras coisas, ouvir uma música prestando atenção na letra, ver uma série comendo pipoca longe do celular. Descansar é ir ao cinema com as amigas e ver aquele filme antigo que reestreou e que, mesmo você conhecendo a história toda, vai te fazer ficar com o rosto inchado de chorar. E vai te fazer sair do cinema com o coração um pouco mais leve e a esperança um pouco mais renovada. É tomar uma boa taça de vinho e se permitir sonhar e não apenas desmaiar em qualquer lugar que se encoste. 

- Você não é uma máquina, Camilla. 

Eu sempre me peguei repetindo a máxima de que seria incrível o mundo em que humanos pudessem ser como celulares: recarregar ligados, sendo usados e sendo úteis para algo. Hoje eu rezo para que nunca cheguemos a esse ponto. O ócio criativo existe de verdade e é muito mais importante do que se pensa: ele transforma o mundo. É de situações aparentemente inofensivas e inúteis que surgem as mais transformadoras ideias. A criatividade é criança que precisa de 8 horas de sono para correr livre e risonha por aí. É, uma criança....

- Você cresceu e tem contas a pagar, Camilla. 

Todos temos. Mas, aprendi com um professor que tive que, para fazer qualquer coisa nessa vida preciso primeiro estar bem. Usando a lógica dele, para pagar contas você precisa de saúde e corpo forte e mente sã. Ao menos um pouquinho, ok? Se você não estiver bem, tudo ao seu redor desaba em um aterrorizante efeito dominó e com certeza não é isso que você quer. Então, pare e se faça um favor: não se esconda atrás dessa desculpa de contas a pagar para exigir do seu corpo mais do que ele tem pra dar. Quando ele parar, não sabemos ao certo se tem volta.....

Lema de Abril:
Cuide de você leitor. Vamos juntos nessa, também ando precisando cuidar melhor de mim. 
Para ouvir durante a leitura:


Quando deixo de amar, não fico aliviado, eu fico triste. 

Já faz um bom tempo que ando triste. Pode a tristeza se mascarar de alegria, quando se deixa de amar? 

Porque é se despedir de uma grande parte da própria vida, é se desapegar de um sentimento que julgava único. É triste deixar de amar. Profundamente triste. É sacrificar a personalidade, é nunca mais usar um jeito de reagir e de falar, nunca mais usar um jeito de beijar e de abraçar, nunca mais usar um jeito de transar e ser feliz. 
Passo a pensar: onde foi parar todo aquele amor? Onde é que ele se escondeu? Será que desapareceu ou está apenas dormindo?


Acho que a contradição desse momento eu nunca saberei explicar. Como pode? Olho nossos retratos recentes, olho nossas recordações da última vez que estivemos juntos no meu lugar favorito do mundo e não consigo crer que tenha se desmanchado. Acho que foi a falta de sono naquela última noite. Ou a neve que invejosa de suspiros calorosos, os tirou de mim.

Será que terminou mesmo ou é fingimento para suportar a falta? Será que minto para mim para não sofrer tanto? Será que o amor é um segredo disfarçado de fim? Será que minha solidão agora é soberba? Será que meu contentamento é uma cilada? Será que me embriaguei de palavras e esqueci o caminho de volta? 
Onde estão aquelas declarações apaixonadas? Em que parte distante de mim, já que não sobem mais aos olhos? 
Para onde foram a algazarra da convivência, os passeios, as viagens, as mãos dadas, os risos, a cumplicidade das festas, as brincadeiras, o sono de conchinha, as conversas até tarde? 
Para onde foram a ansiedade, o ciúme, a saudade, o desespero de não ver mais, as implicâncias ruidosas, as concordâncias silenciosas? 
Para onde vai o amor após sumirem as fotos, os quadros, as mensagens de texto, os bilhetes de flores? 
Quando não há mais dor para sinalizar onde se mantinha o amor. Quando não há mais desespero para apontar onde se guardava o amor. Quando não restam lápide, campa, cicatriz, rua, aliança para ostentar sua lembrança. 
Em que parada de Porto Alegre (ou de São Paulo, ou de Paris) desembarca a comoção perdida? Qual a estação em que o amor acena e evapora? Que planeta, que dimensão, que oceano? 

Acho que nosso amor evaporou no dia em que mesmo gritando, paramos de nos ouvir. Mesmo sorrindo, não fazíamos mais questão das mãos dadas. Mesmo sabendo, não ligávamos mais para os sonhos do outro. Mesmo juntos, atravessamos o oceano separados. Mesmo... mesmo com tantas alegrias, a dor se tornou mais forte. 

Ou ele se transforma numa mania nova, num modo de suspirar, de virar o rosto, de mexer as orelhas? Ou ele se converte em cinismo religioso, em maldade com os palhaços, em ironia com os noivos, em raiva com qualquer save the date dos amigos? 
Para onde vai o amor depois do amor? Me fale, por favor. 

É difícil seguir quando se sente que não há mais amor. Amor sempre foi a palavra e o sentimento que norteou minha vida, meus projetos, minhas decisões. Se não houvesse amor, ali eu não ficaria. Era tudo tão mais simples. Quando ficou complicado? 
Quando passou a doer mais do que acarinhar? Quando se transformou em sépia, aquele belo quadro? 
Quando passou a ser passado que era tão presente? 

As lágrimas, quando secam, permanecem eternamente na pele?
Não sei. Mas meu rosto está cada vez mais salgado.

Carpinejar (com toques de Camilla Carvalho) 
O SPFW veio em ótima hora, como eu disse no post de ontem. É bem bom ter tanto pra pensar, que não consigo pensar em mais nada. Mas confesso que já estou meio cansadinha logo nesse início. Não me levem a mal, é difícil encontrar empolgação genuína quando estamos meio tristes. Mas o lance é seguir mesmo assim, uma hora, quando algo for muito engraçado de verdade - de verdade mesmo - a gente ri profundamente de novo.

O dia começou cedo: 10am e já tinha Animale se montando na flagship da marca na Oscar Freire.
Apesar do atraso considerável no início do desfile, a marca veio com tudo. O destino da inspiração foi a Itália, mais precisamente Florença, Veneza, Roma, Costa Amalfitana e Milão - esta última sendo a cidade mais explorada por Vitorino nessa coleção. O ar de bad girl é marcante mas sem perder o quê de delicadeza. As peças assimétricas e o mix de peso com transparência e lingerie à mostra são os grandes destaques dessa temporada da Animale. São peças que facilmente transitam entre passarela e vida real e parte dessa coleção já está à venda. ;)


Na sequência Uma Raquel Davidowicz - liiiiiindo - na Pinacoteca.... Ah, a Pinacoteca. Eu amo quando os estilistas escolhem lugares como esse para seus desfiles. A luz desse lugar com certeza merecia ser estudada, de tão perfeita e maravilhosa. Enfim! [risos] 
A coleção desfilada está inteira à venda e é feita para durar. As peças tem seu je ne sais quoi fashion mas, são clássicas. Ouso dizer que quase atemporais. O que permite aos donos, mante-las no closet por muitas temporadas a fio. Uma das conexões lindíssimas foi feita por UMA com um trecho do livro "O Valor do Amanhã"de Eduardo Gianetti: 

“O cansaço do mundo, as dores da existência finita e a ansiedade em face ao presente, pedem uma trégua periódica. O real tem que um quê de ilusório e virtual. O passado e o futuro são abstrações, construções mentais que povoam a memória e a expectativa humana. O presente é o intervalo que separa e faz fluir nossa experiência”.


João Pimenta veio logo em seguida, às 17h30, com uma coleção fashionista e super usável para um público que vai do básico ao ousado - com interesse maior na alfaiataria, esta, impecável. E outra coisa maravilhosa foi a utilização de tecidos inteligentes como os de sportwear, em roupas casual. ;)


Lilly Sarti e Osklen fecharam a noite:


Falou em cintura marcada eu já gostei. Pegada anos 80 então: amei! Lilly Sarti trouxe essas duas características da década de 80 para a passarela, mas sem o quê cafona. Apesar da vibe "trevosa" o espírito formal-chia da marca está presente em todos os looks, que facilmente saem da passarela para a vida real. 

Fotos: Agência Fotosite/Divulgação

Esse último look (aqui da direita) Osklen: desejei com todas as minhas forças. <3 A marca vem com a pegada Antártida por conta do envolvimento de Oskar nas filmagens de Soundtrack (longa que tem o ouso Selton Mello). Outra inspiração que casa super bem vem da Islândia, que traz a cartela de cores claras e iluminadas - sempre refletindo à luz que vem do reflexo do sol na neve. Fiquei apenas encantada! 

- Conta pra mim, do que você mais gostou nesse primeiro dia? Aproveita e me segue nas redes sociais (linkada aqui no menu lateral) para acompanhar mais detalhes da semana de moda e outras cositas más! :*