"Olha o trem saindo da estação
Lá da estação; ah! Que emoção! 
Vem trazendo muita diversão 
Quanta diversão; mas que sensação!
Logo que o trem começa a apitar
Todos sabem que o circo vai chegar
Hoje todos vão se divertir 
Vem o circo aí! Vem o circo aí!"

O desenho Disney de 1941 começava com a cena do circo indo de cidade em cidade com o trem e lembro que essa canção, bem como "ao ver um elefante voar" eram as que mais ficavam na minha cabeça por dias, me fazendo cantarolá-las. Mamãe - e os vizinhos - que o diga! 
Apesar disso, Dumbo nunca esteve entre meus desenhos preferidos - sempre me magoava muito ver as cenas de separação da Sra Jumbo e dele e quando ele entra de palhaço no picadeiro. Aquilo sempre teve um significado pesado para mim, antes mesmo de eu imaginar o que eram todas as reflexões impostas por sua história. Mas, fato é que, ao saber da escolha de Disney por reviver a história de Dumbo em um live action, fiquei mais do que intrigada. E combinei com nada mais, nada menos, que a sra minha mãe para conferirmos o filme no dia da estreia. 


A obra revisitada pelo olhar já aclamado de Tim Burton ganha ares de sonho e pesadelo de um segundo para o outro, especialmente na sua reprodução 3D. Se você for alguém sensível ou estiver em um momento assim, o filme com certeza o fará ir às lágrimas por quase toda sua duração. Se eu chorei? Saí inchada do cinema e acordei com enxaqueca na manhã seguinte. 

A crítica forte ao uso de animais para entretenimento, à separar mães de seus filhos muito cedo e ao bullying que muitos sofrem na infância vem repleta de detalhes e faz até o mais apático dos seres refletir a respeito. 


Outro ponto lindo e emocionante do filme é a construção da rede de boas energias ao redor do pequeno Dumbo, coisa que eu não lembro de ter visto no desenho. As crianças que se compadecem dele pois também acabaram de perder a mãe e, depois, a circense que divide o número do voo com ele que cria empatia por ele e toda sua história são elementos fundamentais para transformar o pesadelo em sonho novamente. E ajudam a dar à platéia algum respiro entre um ataque de choro e outro. 


Contudo, não acredito que esse live-action seja bom para crianças pequenas - como eu era quando me apresentaram Dumbo. Se tivesse filhos, com certeza não os levaria até que pudessem entender um pouco mais sobre as mensagens transmitidas ali e também acho que teria uma conversa com eles antes e depois do filme para garantir que a mensagem que ficou seja a real lição a ser aprendida com esse clássico. 


Dumbo entrou em cartaz no dia 28/03/2019 nos cinemas do Brasil. 

Esta semana tive a grata oportunidade de cobrir o show de Paul Mccartney em São Paulo, para o site Burn Book. Como deve saber a esse ponto, caro leitor, sou jornalista e um dos meus trabalhos e produzir conteúdo para outros canais e não apenas esse aqui, de minha inteira responsabilidade. 
Fiquei imensamente feliz com o convite e em poder vivenciar esse momento único (pelo menos para mim, que nunca havia visto um show do Paul na vida - confesso). Reproduzo abaixo o texto que fiz para o site e também coloco aqui o link direto para ele. :)

Fotos: Fábio Tito/G1

Nesse momento Paul Mccartney está no palco do Allianz Parque, em São Paulo, fazendo sua apresentação extra na cidade. O cantor de 76 anos está de passagem pelo Brasil com sua turnê The Freshen Up Tour e ainda tem uma apresentação em Curitiba.

A energia sentida pela plateia na noite de terça-feira foi singular. O músico entrou no palco às 20h45 sob o som de "It's Been a Hard Day's Night" e logo de cara levou o estádio à loucura. A cada música do show que tem pouco mais de 3 horas de duração, uma plateia mais vibrante fazia coro coro com o músico entoando antigas e novas canções.

O ex-Beatle fez várias tentativas de falar em português com a plateia e também dedicou algumas canções ao momento político vivido no mundo. Tudo isso deixando no fim, uma única mensagem: o que fica é só o amor.

É isso aí Paul! <3


Confira a playlist do show:

  • A Hard Day's Night
  • Save Us
  • All My Loving (The Beatles)
  • Letting Go (Wings)
  • Who Cares
  • Got to Get You Into my Life (The Beatles)
  • Come On To Me
  • Let Me Roll It (Wings, com trecho de Foxy Lady)
  • I've Got a Feeling (The Beatles)
  • Let Me In (Wings)
  • My Valentine
  • Nineteen Hundred and Eighty-Five (Wings)
  • Maybe I'm Amazed
  • I've Just Seen a Face (The Beatles)
  • In Spite of All Danger (The Quarrymen)
  • From Me To You (The Beatles)
  • Dance Tonight
  • Love Me Do (The Beatles)
  • Blackbird (The Beatles)
  • Here Today
  • Queenie Eye
  • Lady Madonna (The Beatles)
  • Eleanor Rigby (The Beatles)
  • Back in Brazil 
  • Fuh You
  • Being for the Benefit of Mr. Mike (The Beatles)
  • Something (The Beatles)
  • Ob-La-Di, Ob-La-Da (The Beatles)
  • Band on the Run (Wings)
  • Back in the U.S.S.R. (The Beatles)
  • Let It Be (The Beatles)
  • Live and Let Die (Wings)
  • Hey Jude (The Beatles) 
  • Início do Bis: Hi, Hi, Hi (Wings)
  • Sgt Pepper's lonely hearts band (The Beatles) 
  • Helter Skelter (The Beatles)
  • Golden Slumbers (The Beatles)
  • Carry the Weight (The Beatles)
  • The End (The Beatles)

Link da matéria no Burnbook: https://bit.ly/2U5rvNq

Há algum tempo que a Loungerie ganhou meu coração e meu dinheiro com suas criações que vão desde a lingerie básica e confortável até a sensual. A gama de peças e coleções é enorme e a marca não para de lançar novidades o ano todo. Recentemente, foi a vez de uma coleção que nos ajuda a brincar com a exposição das lingeries nos looks que pensamos. 

Desenvolvida para a mulher moderna que quer ser sensual na medida certa. Toda trabalhada em um mix de elastano, renda cílios, renda estreita e laise na cor preta. Os sutiãs aparecem em duas opções: com bojo no modelo Demi, revestido de tule e renda com decote trabalhado. E sem bojo, mais delicado, no modelo Underwire, também confeccionado a tule e renda. As calcinhas feitas nos mesmos materiais, aparecem em 3 formas, atendendo a todos os gostos. Os elásticos nas pernas e cintura trazem acabamento excepcional sendo super confortáveis e sem marcar a pele. 

O destaque da coleção fica por conta do top em renda e tule que confere um charme sensual a qualquer produção, seja com um blazer aberto ou uma calça de cintura alta. 


Tanto o top quanto os sutiãs vem no preço de R$129,90 e as calcinhas a R$59,90. Louca para ver como ficam no corpo pois, pelas fotos, fiquei encantada pela coleção!